Encontro íntimo

Bem vindo!

Este é um espaço para falarmos sobre assuntos que raramente são tratados em público e que considero necessários para uma vida saudável e alegre. Espero que você seja edificado e também se divirta!
Obrigada por sua visita!

Home . Artigos . Alguns princípios básicos para a felicidade

Artigos

Alguns princípios básicos para a felicidade

Não adianta negar: todos vivem em busca de algo, que aparentemente é muito difícil de conseguir: A FELICIDADE. Buscamos todas as maneiras que pensamos serem necessárias para alcançá-la.

Muitos imaginam que conseguem ser felizes olhando somente para si e a satisfação de todos os seus desejos. Outros imaginam que para ser feliz necessitam de muito dinheiro.

Outros, que precisam encontrar a “pessoa certa” para amar e ser amada. Muitos pensam que ao encontrar alguém sua autoestima melhorará. Como se toda sua felicidade dependesse do outro. (Se bem que muitas vezes o outro pode infernizar sua vida, mas sua atitude diante das circunstâncias poderá lhe tirar dessa armadilha). Porém, desiluda-se: ninguém tem o poder de trazer felicidade ao outro.

Muitos pensam que felicidade se constitui em um sentimento contínuo, perene. (vamos combinar: ás vezes o outro pode realmente infernizar sua vida. E será impossível mesmo ter pelo menos momentos de alívio e de felicidade com essa pessoa. Mas, desiluda-se: ninguém faz ninguém feliz!).

O que significa mesmo felicidade? Precisamos entender o que quero dizer quando escrevo esta palavra.

Pesquisando nos dicionários, encontrei que a felicidade constitui-se em um sentimento íntimo que causa a sensação de contentamento, bem- estar. Ela não pode ser algo contínuo porque advém justamente do oposto da carência. Por exemplo: quando estamos longe do ser amado, felicidade pode significar poder voltar a estar juntos.

Quando está chovendo muito, e o sol brilha no outro dia, se você gosta do sol, isto lhe traz uma sensação de bem estar, de alegria.

Quando um filho, ou filha, ou você mesmo, consegue se formar terminar um curso, alcançar um alvo em sua vida. Isto lhe traz uma sensação de conquista, de bem- estar. A isto podemos chamar de estado de felicidade.

O filósofo André- Comte Sponville afirma que existem alguns prazeres incompatíveis com a felicidade.

Existem os desejos naturais e necessários que lhe ajudam a assegurar a vida, e esses ajudam você a ser feliz. Eles são o desejo de comer, beber, vestir e um teto para morar que lhe ajudam a ter um bem-estar físico. A necessidade de ter amigos ajuda no bem-estar da sua alma. E eu acrescentaria que a necessidade de Deus coopera com o seu bem estar espiritual.

Porém, os desejos estéticos, gastronômicos e sexuais, não necessariamente colaboram com sua felicidade. Porque, como afirma o ditado popular: a medida do ter nunca enche. O psicanalista Freud, e concordo com ele nisto, declara que seremos sempre seres querentes e carentes. Sempre desejamos o que não podemos ter, e quando o possuímos, logo queremos descartá-lo.

Comer bem e sair com mulheres ou homens belos não necessariamente se constituiriam um problema, se isso não for um imperativo para você ser feliz.

Sempre aparecerão mulheres e homens mais belos do que o que você se relaciona. Pessoas, mais ricas, comidas mais exóticas e saborosas.

A corrida pela riqueza, poder e glória não lhe trarão felicidade.

O ganancioso destrói a comunidade com sua cobiça, mas quem se recusa a tirar proveito da situação vive feliz.  (Pv. 17:27)

Não deixem que os sábios se orgulhem da sua sabedoria. Não deixem que os heróis se orgulhem das suas proezas. Não deixem que os ricos se orgulhem das suas riquezas. Se for para se orgulhar, orgulhem-se disto: que vocês me conhecem e me compreendem. Eu sou o eterno e ajo com amor leal. Jeremias 9:23-24.

O problema é que o ser humano não se contenta mais com simplicidade. Em países ricos, não se morre mais de fome, mas a infelicidade impera. Por quê? Porque não se contentam mais com os desejos naturais e necessários, e nunca têm todos seus desejos satisfeitos, com necessidades criadas pela mídia. Vejam os carros: cada ano o modelo do mesmo carro muda. Um farol, um porta-malas diferente, um banco. Tudo isso faz toda a diferença para o insensato e insatisfeito.

A felicidade consiste em sensatez, sabedoria e simplicidade. Contentamento com coisas simples do cotidiano, não andar ansioso por modismos e coisas fúteis, como nos ensina Salomão no livro de Provérbios 15, versículos 14 e 16:

Quem tem discernimento está sempre ansioso por saber mais, mas o insensato se alimenta de modismos e coisas fúteis.

É melhor uma vida simples no temor do eterno que uma vida rica cheia de “pepinos” e” abacaxis”.

Experimentar momentos alegres na simplicidade, no contentamento e na vontade de alcançar paz. Nisto reside a felicidade.
Silvia Geruza F. Rodrigues

Compartilhe

1 comentário

  • Critina Lopes disse:

    Boa tarde!!! Sempre ouço suas mensagens e me ajuda muito!!!!
    Parabéns!!!! Gostaria de saber se no trabalho tem alguém que só reclama e fala mal de todos ,,,e eu evitar falar com essa pessoa , e falar só o necessário é errado?
    Obrigada

Deixe seu comentário