Encontro íntimo

Bem vindo!

Este é um espaço para falarmos sobre assuntos que raramente são tratados em público e que considero necessários para uma vida saudável e alegre. Espero que você seja edificado e também se divirta!
Obrigada por sua visita!

Home . Artigos . Diversos . Uma existência extra-ordinária

Artigos

Uma existência extra-ordinária


Uma existência extra-ordinária

Às vezes pergunto-me o que seria do mundo se não existissem homens e mulheres persistentes que pensaram e agiram diferente, como Einstein, Thomas Edson, Leonardo Da Vinci, Mozart, Sócrates, Michelângelo, Galileu Galilei, Isaac Newton, Gauss, Rose Parks, Martin Luther King Jr, Mahatma Ghandi, Marie Curie (descobriu as propriedades atômicas da radioatividade); Mary Anderson ( inventora do limpador de para-brisas);Ema Schneider Hoover; Madre Teresa de Calcutá, Nelson Mandela e tantos outros. Essas pessoas conseguiram sair do ordinário, da rotina, do comum e saltar para a originalidade, não sem persistência, sem riscos com erros e acertos, mas a posteridade lhes fez jus.

A grande diferença entre o ser rotineiro, comum, acomodado, oportunista que não visa o futuro e aquele que abraça um ideal, que não teme insistir, contanto que consiga atingir seu alvo, que muitas vezes não é fácil, mas é possível.

Quais elementos ajudaram essas pessoas a galgarem para o extraordinário? O primeiro que consigo imaginar seria o ideal. Sim, segundo José Ingenieros, em seu livro O Homem Medíocre (2006), o ideal se constitui um fogo sagrado que consegue levar qualquer um às grandes ações. Os idealistas formam uma raça distinta dentro da humanidade. Segundo Ingenieros, “o ideal é um gesto do espírito em direção a alguma perfeição”. (p.12).

Quando se parte em busca de algo, corre-se o risco de errar, pois o ideal é um caminho, não um destino. Contudo, na busca deste ideal dividem-se os caminhos entre a pessoa comum, rotineira, e a extraordinária. Os idealistas são inovadores: pensam longe, a médio e longo prazo, nunca visam somente o sucesso, que difere da glória. Enquanto o sucesso pode ser efêmero, aplauso de multidões, obrigando o ser comum a se moldar a ideias pré-estabelecidas para agradar ao senso comum, os ousados, os idealistas, os extraordinários fogem do aplauso efêmero, da ideia massificada e preconceituosa, porque moldada às mentes da maioria, ela não permite ORIGINALIDADE.

Por necessitar de impulso e paixão, o ideal rejuvenesce. Aqueles que já se acham velhos e se acomodam com o status quo das situações nunca conseguirão olhar para o futuro com esperança ou lutar para conseguir atingir um alvo. Portanto, esses são condenados a passar pelo ralo da História, passar pela vida sem contribuir para a evolução da humanidade e nem para o bem do próximo.

Outro elemento indispensável a um ser extraordinário, que foge do lugar comum é personalidade firme. O medíocre, acomodado ao meio em que vive, sem coragem de opinião própria, confunde-se e funde-se no meio da multidão, da coletividade. Este é benquisto na sociedade, porquanto não tem voz nem eco. Não discorda, mas também não arrasta, não empurra, não leva ninguém a desbravar coisa alguma. Seu pensamento, sua conduta, toda sua existência é domesticada. Estes, não pensam, não lêem, não opinam, querem passar pela vida indiferentes, comendo para viver, vivendo para trabalhar, trabalhar para comer, em um círculo vicioso até que a morte os encontre.

Por outro lado, os extraordinários tentam descobrir, perseguem um ideal e nele investem todas as suas forças. Envolvem outros, talvez aí resida a característica do líder excelente: ele leva outros a tentarem encontrar a fórmula de algo que tentam alcançar com perfeição. Eles não temem ensinar, mostrar suas ideias, mesmo sabendo que muitos não as aceitarão ou acreditarão na sua eficácia. Porém, através de erros e acertos ele galga para o alvo, com firmeza, dúvidas, mas persistência até que alcance seu ideal de perfeição. Talvez nunca encontre, mas lutará e envolverá outros na mesma luta. O medíocre, o comum geralmente é egoísta: pensa em si próprio e na sua sobrevivência, diferentemente do excelente ou ser superior, que antevê um benefício para o próximo e até mesmo para a humanidade, deixando um rastro na História individual e coletiva.

Diferentemente do medíocre, o extraordinário terá sua glória, muitas vezes não o êxito temporário, muitas vezes tardia, nem sempre virá a ver o resultado de seu trabalho e visão, mas com certeza não terá tempo para inveja, pois ele mesmo será alvo dela, e seu ideal o preenche. Não vê seus próprios benefícios e nem almeja o aplauso da multidão, mas luta por uma ideia que o persegue e na qual acredita.

O porvir e a história lhes farão justiça, não porque eles almejaram tal coisa, mas porque persistiram em fazer o que lhes parecia nobre, digno e justo. A estes o mundo agradecerá pois trarão sempre inovações, benefícios e justiça para a humanidade.

Ingenieros não é complacente com os medíocres e de certa maneira sente dó deles, porque perdem o melhor da vida. Ele assim os define: “São rotineiros, honestos e mansos: pensam com a cabeça dos demais, compartilham a alheia hipocrisia moral e ajustam seu caráter às domesticidades convencionais..”(p.61). Para ele os seres excelentes contém engenhosidade, virtude e dignidade, diferentemente dos medíocres, pois estes “são cegos ara as auroras; ignoram a quimera do artista, o sonho do sábio e a paixão do apóstolo. Condenados a vegetar, não suspeitam que existe o infinito além de seus horizontes “(p.61)

Perceber ou intuir que existe o infinito além dos horizontes impulsiona o ser humano para o inusitado, para a descoberta, para a busca do genuíno, levando-a a ser extraordinário. Sonhar, olhar para as estrelas, para o infinito, para o que não existe ainda, ter a coragem de alçar vôos e trilhar por sendas nunca antes desbravadas pode lhe levar a uma aventura que poderá ser contada de gerações em gerações.

O poeta americano, Robert Frost, escreveu um poema muito citado quando se pensa em alguém extraordinário: “Em algum ponto, duas estradas bifurcavam numa árvore. Eu trilhei a menos percorrida e isto fez toda a diferença”.

Meu desafio a você hoje é que fuja do lugar comum, que não busque o caminho mais fácil, o das ideias pré-concebidas, dos pré-julgamentos, daquelas que são aplaudidas por todo mundo, mas que seja genuíno, inovador, que voe alto, ouse descobrir, inventar…mas para isso você precisa se despojar do medo, da inveja, do comodismo, da ignorância intelectual e persistir a atingir um ideal que seja nobre, digno e que beneficie o próximo.

Assim, não se preocupe com você, com o sucesso, pois a glória um dia inevitavelmente virá!

Silvia Geruza

Compartilhe

Deixe seu comentário