Encontro íntimo

Bem vindo!

Este é um espaço para falarmos sobre assuntos que raramente são tratados em público e que considero necessários para uma vida saudável e alegre. Espero que você seja edificado e também se divirta!
Obrigada por sua visita!

Home . Eventos . NATAL- Tempo de renascer?

Artigos

NATAL- Tempo de renascer?

Natal: Tempo de renascer?
Silvia Geruza F. Rodrigues

Há muita celeuma ao redor da celebração do Natal. Muitos afirmam ser um sincretismo do paganismo ao cristianismo. Questionam-se a data, a árvore de Natal, a compra desenfreada de presentes. A substituição de Cristo pelo velho barbudo bondoso Papai Noel, que não somente rouba o lugar do maior presente que Deus deu à humanidade: Jesus, como a bondade dos pais que verdadeiramente compram os presentes. Pais podem usar a figura do Papai Noel para que os filhos se comportem por algum tempo para ganhar o que querem, embora isto seja uma compra capitalista do bom comportamento dos filhos. Contudo, o que realmente importa no Natal é o espírito mágico que ele encerra.

Familiares que não se falavam por anos, geralmente perto do Natal tratam de fazer as pazes em nome do “espírito natalino”. Pessoas egoístas, muitas vezes até saem do seu mundo para ajudar famílias carentes a terem uma boa ceia de “Natal”. Brinquedos são distribuídos nas empresas e fábricas aos funcionários e seus familiares. Presentes são trocados nas empresas: “amigos secretos”, “amigos da onça”, “amigos ladrões”. Várias brincadeiras e festividades até nos deixam estafados de tantas comemorações em um só mês.

Afinal de contas, o que está errado com o Natal atual? O comércio se apoderou desta data e comercializou algo que deveria ser espiritual. Lembrar de Cristo e seu nascimento como Deus se despindo de sua vestimenta real, sagrada numa simples manjedoura, onde poucas pessoas o viram e O adoraram, deveria ser uma data onde esse espírito de humildade, simplicidade, doação imperaria.

Conta a história que alguns reis magos vieram adorar ao menino Jesus. Seguiram um sinal e O adoraram, ali, naquela manjedoura Não informaram ao César que queria saber. Com medo, iria matá-lo. Um Salvador veio ao mundo e trouxe paz aos homens de boa vontade.

Celebrar o Natal deveria implicar em doação, de nós mesmos, não somente de presentes. Natal deveria ser uma época de acolher um ao outro; de ajudar ao próximo; de restauração, perdão. De anunciar o Cristo querendo nascer também em nossos corações.

Se a data é esta ou não, se devemos usar árvores, guirlandas, luzes, festas, nos reunirmos com os familiares? Sinceramente? O importante é termos este marco, esta data como uma referência ao nascimento de Cristo. Este “espírito mágico” que toma conta de quase todos nesta data, bem que poderia perdurar por todo o ano. Mas, que pelo menos famílias se reúnam mais uma vez; que se perdoem mutuamente; que amem o estrangeiro e o forasteiro; que se doem; que deixem Cristo atuar em suas vidas, modificando-os, tocando-os e o menino inocente, cresça dentro de cada um de nós e nos transforme a cada dia, a cada escolha, a cada ano.

Feliz Natal. Deixem Cristo nascer também em seus corações e habitar neles o ano todo, a vida inteira.

Compartilhe

Deixe seu comentário