Encontro íntimo

Bem vindo!

Este é um espaço para falarmos sobre assuntos que raramente são tratados em público e que considero necessários para uma vida saudável e alegre. Espero que você seja edificado e também se divirta!
Obrigada por sua visita!

Home . Artigos . Maldade Humana – desde sempre

Artigos

Maldade Humana – desde sempre

Já tive a oportunidade de visitar vários museus sobre o Holocausto. Visitei um em Jerusalém, outro em Berlim e recentemente estive no ex campo de concentração Terezin, na República Checa. Lá mais de 150.000 pessoas (incluindo milhares de crianças) ficavam por alguns meses ou anos antes de ser transportados para a morte nos campos de concentração de Treblinka e Auschwitz, este último na Polônia, entre os anos de 1941 a 1945, durante a segunda guerra mundial.

Hitler sonhava com uma guerra ideológica (contra o comunismo) e de limpeza racial (contra o judaísmo e eslavismo: judeus, ciganos e homossexuais eram seu alvo principal). Para cumprir seus objetivos a ordem era agir de qualquer maneira para exterminar os inimigos. Para tal criou a SS Totenkopfverbande (unidade caveira), que no final do conflito contava com 900.000 homens armados.

O Marechal Walter von Reichenau ordenou aos soldados que invadiram a Rússia que se portassem de maneira racialmente desapiedada e que castigassem todas as bestialidades “que ameaçam a etnia nacional alemã.” A ordem era de limpar o terreno afastando a maior parte dos eslavos do solo russo ocidental (31 milhões deles) destruindo assim, a substância biológica dos povos orientais. Tratar o “inimigo” cruel e desumanamente era considerado justo.

Não sou cientista política, porém as leituras e visitas a estes locais deram-me algum conhecimento sobre a monstruosidade praticada contra o ser humano por uma ideologia de pureza racial. 6 milhões de judeus foram exterminados nos campos, se não por câmeras de gás, por inanição e trabalho forçado até a morte, principalmente em Terenzin onde os mais fortes eram recrutados para montar peças de uma fábrica e cada dia mais aumentava o número de prisioneiros e diminuía a quantidade de água, ração. Visitei celas onde caberia normalmente quatro pessoas e 20 eram colocadas sem luz, água, e comida. Muitos dos prisioneiros que se rebelavam eram trancados numa cela sem oxigênio e luz por dois anos. Ao saírem estavam loucos e cegos.

O cerco aos judeus começou na Alemanha obrigando-os a usarem uma estrela de Davi na vestimenta, os gays usavam uma estrela róseo. Depois a proibição das pessoas de comprarem ou fazerem negócio com os judeus. Lojas foram fechadas. Nas escolas, ensinava-se ódio aos judeus. Brevemente a população assimilou o conceito de pura raça e começou a admitir a prisão e deslocamento de inteiras famílias para guetos e campos de concentração. Doenças como febre, epidemia de piolho, tifo, desnutrição e disenteria, sem contar com o mau cheiro das pessoas amontoadas em locais pequenos sem direito a um banho diário. Imagine você destituído de sua moradia, bens, família e dignidade.

Contudo, imaginamos que Hitler seja somente o único mal da humanidade. Pasmem vocês que dentro do meio “cristão”, mortes cruéis e desumanas também aconteceram. Desde os primeiros Papas e as cruzadas contra qualquer povo que não praticasse sua religião, verdadeiras chacinas foram cometidas contra judeus e muçulmanos. A queima de “hereges” no século XII sob o comando do antigo imperador germano Henrique V (1080-1135), legalizando o direito de praticar a violência contra todos que rejeitassem sua doutrina. A Inquisição iniciada no século 13 pelo Papa Inocêncio III e o massacre com a utilização de tortura (até mesmo cortando o nariz e arrancando os olhos de suas vítimas) de albigenses ou valdenses no sul da França.

Parece absurdo querer obrigar as pessoas até mesmo a terem a mesma maneira de pensar no que concerne a fé. Estima-se que mais de um milhão de albigenses foram mortos em um esforço para eliminar a doutrina que rezava objeção à VIOLÊNCIA, castigos corporais e considerava a humildade sua maior virtude. Esta era a heresia que o papa e os denominados “cristãos” combatiam e por isso levaram homens e mulheres à fogueira. Diga-se de passagem, mais mulheres, muito mais mulheres do que homens. (Vide livro Martelo das Bruxas). Consta de uma bula papal de Alexandre IV autorizando aos inquisidores que torturaram os “hereges” de se absolverem mutuamente.

Todo tipo de tortura recebeu a bênção papal num dos períodos mais terríveis do sadismo institucionalizado que se conhece na história da humanidade.

Pergunto-me: onde cabe a descrição bíblica de que DEUS É AMOR? Amor ao que? A uma doutrina? A uma raça? A um set de regras de uma só religião? Amor a uma autoridade rígida e usurpadora dos direitos humanos?
Onde se encontra o mandamento maior declaro por Jesus Cristo, filho de Deus? Amarás ao Senhor Teu Deus com tudo que há em você- corpo, mente e espírito, razão, emoções, e amarás ao próximo como você se ama?
Perseguições cruéis a pessoas que pensam doutrinariamente diferente continuam. Hoje nossa tortura maior e inquisição encontra-se na internet. A internet tem se tornado um campo de batalha e de mentiras ideológicas. A diversidade perseguida. Você tem que pensar igual à maioria, senão lhe rotularemos de “herege” e lhe queimaremos através de calúnias, perseguição e de distorções de tudo que você falar. Torturaremos você emocionalmente. Não lhe daremos descanso enquanto não lhe destruirmos.

Mais uma vez questiono: Era isso que Deus planejava ao criar o homem? Não esperarei sua resposta querido leitor. Afirmo categoricamente: NÃO, MIL VEZES NÃO. Devemos nos perguntar: o que fazer para não cairmos na mesma maldade que tanto condenamos quando praticada por outros? Cabe a você esta resposta.

 

Silvia Geruza F. Rodrigues

Compartilhe

Deixe seu comentário