Encontro íntimo

Bem vindo!

Este é um espaço para falarmos sobre assuntos que raramente são tratados em público e que considero necessários para uma vida saudável e alegre. Espero que você seja edificado e também se divirta!
Obrigada por sua visita!

Home . Artigos . Relacionamentos . Ser Igreja- Fazer igreja- Qual a diferença?

Artigos

Ser Igreja- Fazer igreja- Qual a diferença?

 

 

 

 

 

 

 

Ser Igreja – Fazer igreja: Qual a diferença?

Silvia Geruza F. Rodrigues

 

Fazer igreja é diferente de ser igreja. Muitos maridos não cristãos de algumas amigas minhas, aqui e acolá brincam e exclamam: “Um dia vou abrir uma igreja para ficar rico!”  Sorrio e respondo: “Vai nessa. Se você pensa que igreja é para isso e que é simples assim, pago para ver”.

 

Certo dia a professora perguntou para um filho de pastor: “O que seu pai faz? “ O aluno de 8 anos, inocente, respondeu: “Meu pai é pastor.” Ao que a professora replicou: “Ah, então seu pai não trabalha? “ O garoto chegou em casa e questionou o pai: “Pai, o senhor não trabalha?”

 

Esses e outros incidentes mostram que as pessoas que não participam de uma igreja não têm a menor ideia do que é igreja.

 

Existem duas igrejas: a Igreja com I maiúsculo, que segundo a Bíblia é cada um que crê e serve a Deus, pedras vivas, um mais um mais um que unidos formam a Igreja Universal de Cristo. Pessoas que um dia tiveram um encontro forte pessoal com Deus e aceitam o fato de que Jesus é Deus encarnado que veio ao mundo para se mostrar à humanidade. Ele sofreu preconceitos, insultos, incompreensões,  tentações como nós e morreu na cruz por suas ideias e posições diante de um mundo religioso e político conturbado. Quando eles esperavam um libertador político e guerreiro, Cristo veio anunciando paz, perdão, não violência e princípios muito mais profundos e difíceis do que simplesmente seguir a Letra da Lei que os religiosos obrigavam a seguir na época em que Cristo esteve entre os seres humanos.

 

E, existe a igreja, denominada assim com templos, pessoas que se reúnem para louvar a Deus, aprender mais sobre Deus e formar uma comunidade para  várias atividades. Essa igreja que pode ser de várias denominações, isto é, vários nomes por maneiras diferentes de pensar suas doutrinas da interpretação da Bíblia, maneira de administrar, com vários líderes. Aí é que o negócio encrenca.

 

A sociedade precisa de vários tipos de pessoas: sacerdotes, médicos, psicólogos, comerciantes, comerciários, etc. Sacerdotes de qualquer religião são necessários. Eles ensinam sobre Deus, visitam os enfermos, incentivam as pessoas a ser melhores pessoas por seguir alguns princípios divinos, ministram em enterros, fazem sacramentos de casamentos, servem a Ceia, etc. Etc. Estudam, dão seminários, palestras, aconselham pessoas em crises existenciais ou familiares. Enfim, quem acha que os sacerdotes, pastores ou líderes de igrejas não trabalham precisaria passar 24 horas com eles ou elas para verem o corre-corre diário de cada um(a).

 

Por que estas explicações? A Igreja Betesda é uma dentre inúmeras igrejas no Brasil. Seu nome foi escolhido para que ela cumprisse exatamente o que seu nome significa: Betesda em Hebraico significa “o lugar da misericórdia divina.” No seu início ela pretendia ser uma igreja pentecostal reflexiva que tivesse relevância em qualquer lugar que se encontrasse. Quer na menor cidade do interior, como na grande cidade de São Paulo. Ela tem tentado ser o que se propôs: uma igreja reflexiva, amorosa, acolhedora e que não fala somente o que as pessoas gostariam de ouvir, mas o que precisam para continuar sua caminhada rumo a ser um melhor ser humano em todas as áreas de sua vida.

 

Seus líderes estudam incansavelmente, questionam, reúnem-se para discutir temas considerados “as vacas sagradas do evangelicalismo”.  Não têm medo de pensar e nem creem que ter fé é deixar de lado a razão e o meditar nas profundidades dos temas difíceis. Crer não é deixar de pensar, e nem pensar é pecado. Isto é, você não transgride nem ofende a Deus pelo fato de duvidar, questionar e tentar entender a complexidade da vida e da presença ou não de Deus em circunstâncias consideradas absurdos pela maioria.

 

Fazer igreja ser Igreja não é nada fácil. Exige das pessoas menos egoísmo, mais altruísmo, morrer também para alguns mitos e enfrentar a realidade da vida. Ouvir falar sobre Deus e levantar as mãos na hora de cantar hinos a Deus, é muito fácil, mas de segunda a sexta, quando alguns desejos se instalam e as pessoas têm que escolher entre os princípios da Bíblia e seu ego, seus sentimentos egoístas, aí sim o verdadeiro cristianismo se revela.

 

Para ser um líder, pastor ou pastora, necessita de algo muito difícil: ter chamado. É vocação. Quem monta uma igreja com um set de doutrinas para ganhar dinheiro não tem a menor ideia do que é  chamado vocacional.  Precisa ouvir a voz de Deus para ter certeza de que é esse o caminho que você deseja trilhar.

Quem tem um chamado precisa saber que cuidará das pessoas sem esperar absolutamente nada em troca. Gratidão é algo que você não encontra facilmente nas igrejas dos membros para com seus líderes.

Quem tem um chamado precisa entender que será difícil ter paciência com certas pessoas que não leem um livro sequer por ano e não conseguem entender os conceitos que você quer passar. Necessita compreender as pessoas onde elas se encontram. Quer cultas, leigas nos assuntos eclesiásticos, quer ignorantes, quer com inteligência emocional ou não. Aliás, Jesus falou que não veio para os sãos, e sim para os doentes. Os muito certinhos e autoconfiantes não acreditam precisar seguir os princípios bíblicos. Eles já são bons demais para isso.

Quem tem um chamado precisa entender que a estrada eclesiástica é solitária. Sim, muito solitária. Você não terá muitas pessoas com quem compartilhar suas dores, suas dúvidas, suas insatisfações. Aliás, nem sei se terá alguém em quem confiar, porque quando você menos espera, aquele seu “amigo” ou “amiga” repentinamente lhe dá as costas , abandona e lhe trai. Seu melhor amigo será Jesus, porém, quantas vezes você precisará um ouvido de carne e osso, um ombro, procurará e não encontrará. Rodeado de tanta gente, mas tão só. Sim, amigo e amiga , não é nada fácil fazer igreja. Muito menos ser Igreja.

Contudo, quero lhe estimular a ser Igreja, antes de querer fazer igreja. Uma pedra viva, unida a muitas outras amando a Deus acima de todas as coisas e ao próximo da mesma maneira que se ama. Assim, você terá o shalom, a paz da inteireza pela qual todo ser humano anseia.

Este fim de semana a Betesda em São Paulo completa 23 de existência. Venha celebrar conosco esta caminhada difícil, mas gratificante!

Compartilhe

3 comentários

  • Nilson Gomes disse:

    Brilhante, lindo, espetácular! Pastores como Silvia Geruza, Ricardo Gondim e outros poucos que conheço e igrejas como a Betesda me fazem acreditar que ainda tem jeito! Vale a pena lutar por ser igreja.
    Valeu querida Silvinha, li como se estivesse ouvindo sua voz dentro da minha mente e do meu coração. Bjo…

  • Simone Tagiaroli Florio disse:

    Parabéns Betesda, sou muito grata por sua existência, muitas bênçãos tem chegado na minha vida e no meu lar através desta igreja maravilhosa.

  • João Gomes da Silva disse:

    Talvez até de forma inconsciente sempre vi a igreja de cristo como lugar de refúgio. Vi também como a arca que flutua em meio a inundação moral e espiritual que ceifa náufragos que procuraram outros barcos. Estou nessa arca calafetada desde a minha infância, aprendi coisas boas, mas também duvidosas pelas quais sofri horrores. Hoje estou me reinventado, reorganizando-me, matando pela raiz conceitos que julgava certo. Precisei me lavar com hissope, achei esse material das rochas na visão Betesda. Nunca quis fazer igreja, fico feliz em ser igreja, agora Betesda em Gurupi-TO.
    Parabéns pelo lindo artigo!

Deixe seu comentário